BH sedia Ciclo de Debates “Trabalho e saúde”

Publicado em 12/09/2019

Estudos da Organização Mundial de Saúde (OMS) e Organização Internacional do trabalho (OIT) constataram, em 2013, a elevação dos índices de adoecimento psíquico em todo o mundo, com destaque para as taxas de suicídio e depressão. A expressividade do problema exigiu que as duas organizações orientassem seus Países Membros a abordarem sistematicamente o problema desenvolvendo projetos de pesquisas/ações preventivas – dada a ausência de dados em muitos países, incluindo aqueles da América Latina. Esta particularidade é ainda mais presente quando se tratam dos transtornos psíquicos de origem ocupacional.

No Brasil, o quadro epidemiológico referente à saúde mental se apresenta problemático: dados da OMS revelam um contingente de 11,5 milhões (5,8%) de brasileiros (as) deprimidos (as), enquanto que 18,6 milhões (9,3%) são portadores de distúrbios relacionados à ansiedade (OMS). Como extrair de tais resultados aqueles percentuais pertencentes ao adoecimento no e pelo trabalho? Dados do INSS apontam que as doenças do trabalho já ultrapassaram os acidentes de trabalho "típicos", sendo que os transtornos psíquicos ocupam a terceira posição nas causas de afastamento de trabalhadores (as).

Desta realidade, nasceu o projeto de pesquisa “Trabalho contemporâneo e impacto à saúde mental dos (as) trabalhadores (as) da RMBHTE’, cujo propósito é contribuir para o aprimoramento de informações /dados sobre a incidência dos transtornos mentais em trabalhadores (as) que atuam sob antigos e novos paradigmas /meios de trabalho da gestão da produção contemporânea, bem como debater estratégias de aprimoramento das políticas públicas dirigidas ao tema. Visando o alcance deste objetivo formou-se grupo de pesquisa interinstitucional no qual se implicam representantes dos programas do SUS, UFMG, IFOP, FDC, FGV. Esta proposta de Ciclo de debates e Oficinas de trabalho sobre as contribuições das ciências da saúde à saúde mental do trabalhadores (as) integra a proposta metodológica do referido projeto, sendo fruto de discussões internas do Grupo de trabalho que a considera etapa importante para inventariar a questão da saúde mental de origem ocupacional na RMBH e para o debate sobre as políticas públicas dirigidas à saúde mental dos (as) trabalhadores (as).Esta iniciativa se justifica se ponderado que milhões brasileiros – trabalhadores (as) formais ou informais ocupados em pequenas e microempresas – formam a maioria do conjunto de usuários (as) do Sistema Único de Saúde-SUS. Estes, ao sentirem sua saúde debilitada, buscam acolhida nos variados programas ofertados por esta imprescindível instituição pública.

Da associação entre o lugar social do trabalho, suas determinações na saúde, as atribuições do Ministério da Saúde – SUS, responsável políticas públicas voltadas para a promoção, prevenção e assistência à saúde dos brasileiros” e a interface com a Fundacentro e órgãos parceiros, atuando nas inter-relações entre Trabalho e saúde, o GP concluiu que gestores e profissionais de instituições formuladoras e executoras de políticas públicas de saúde são participes indispensáveis das atividades propostas.

Em função da negação do lócus social do trabalho, considera-se fundamental também a participação de especialistas em políticas públicas da educação superior/técnica e da ciência e tecnologia em vista de seus poderes para amplificar a questão da relação entre “Trabalho & Saúde” desde a fase de concepção de seus programas e projetos. A via mais eficaz para a prevenção dos problemas de saúde é produção do conhecimento, informação e sua disseminação. Entretanto, considera-se exponencial a capacidade das políticas de educação e da ciência e tecnologia reduzirem drasticamente índices de acidentes e adoecimento, caso acolham a concepção do trabalho como organizador da vida social e incorporação dos paradigmas da proteção à saúde do trabalhador em seus processos e produtos tecnológicos.

Evento

A programação completa do evento, você confere aqui!

Conheça mais sobre o CRESS-MG

Informações adicionais
Informações adicionais
Informações adicionais

SEDE: (31) 3226-2083 | cress@cress-mg.org.br

Rua Guajajaras, 410 - 11º andar. Centro. Belo Horizonte - MG. CEP 30180-912

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL JUIZ DE FORA: (32) 3217-9186 | seccionaljuizdefora@cress-mg.org.br

Av. Barão do Rio Branco, 2595 - sala 1103/1104. Juiz de Fora - MG. CEP 36010-907

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL MONTES CLAROS: (38) 3221-9358 | seccionalmontesclaros@cress-mg.org.br

Av. Coronel Prates, 376 - sala 301. Centro. Montes Claros - MG. CEP 39400-104

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL UBERLÂNDIA: (34) 3236-3024 | seccionaluberlandia@cress-mg.org.br

Av. Afonso Pena, 547 - sala 101. Uberlândia - MG. CEP 38400-128

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h