Combate ao racismo é tema de debate em Formiga

Publicado em 07/12/2018

O Núcleo de Assistentes Sociais de Formiga (Nasfor) realizou, no dia 27 de novembro, o debate “Ser negra, ser assistente social”, em alusão ao Dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro. A atividade reuniu profissionais de Arcos, Capitólio, Formiga e Pimenta e teve o intuito de refletir criticamente sobre o racismo nos tempos atuais e os desafios que assistentes sociais negras e negros enfrentam na atuação profissional.

Luta diária

O cotidiano profissional leva muitas e muitos profissionais a mecanizarem suas ações, o que, por sua vez, contribui para a naturalização de violências e discriminações diárias com a população usuária que é, em sua maioria, negra e pobre. Portanto, é essencial que a categoria discuta temas relacionados à questão racial, como afirma a assistente social e integrante do grupo de Artes Cênicas de Mulheres Negras de Juiz de Fora, "As Ruths", Joyce Resende.

“Devemos entender o recorte de gênero dentro da classe trabalhadora, uma vez que nossa história vem carregada de violação de direitos, discriminação e exclusão. Acredito na defesa dos princípios do Código de Ética e na prática da defesa intransigente dos direitos, ampliação da cidadania, equidade e justiça social, empenho na eliminação de todas as formas de preconceito, respeito à diversidade, garantia do pluralismo, defesa de uma sociedade sem dominação de classe, etnia, gênero e em exercer a profissão sem ser discriminada ou discriminar”, pontua.

A profissional foi uma das convidadas para contribuir com o debate e, para ela, atividades como esta contribuem significativamente para a luta contra a discriminação, a repressão e a violência de diferentes tipos que a população negra, no Brasil, sofre todos os dias. “Necessitamos de eventos assim não só em novembro, mas em todos os meses do ano! Movimentos de debate, denúncia e resistência constantes para não deixar que o sistema e a classe dominante façam acreditar que realmente existe democracia racial!”, enfatiza Joyce.

Dívida histórica

“Enquanto mulher, na história, só passamos a ter direitos efetivos com a Constituição Federal de 1988. Enquanto negra, ainda busco meu lugar ao sol”, declarou assistente social de Formiga, hoje atuando em Pimenta, Liliam Morais. Assim como muitas estudiosas, estudiosos e militantes, ela acredita que o país possui uma dívida histórica com a população negra e que sempre que tenta quitá-la, vem “em forma de barganha”.

O Serviço Social, enquanto profissão que coloca a categoria, de maioria negra, na ponta das políticas públicas, tem um papel determinante no combate ao racismo e pela igualdade racial: “Como oferecer ajuda a uma mulher negra que se encontra em situação de vulnerabilidade e marginalizada? Como eu, sendo negra, consigo usar as políticas e os serviços para emancipar essa população? Não devemos esperar o branco sair para nos aconchegarmos ao sol, é preciso lutar”, destaca.

Próximas atividades

As reuniões do Nasfor acontecem mensalmente e as datas são divulgadas no site e no Facebook do CRESS-MG. Para mais informações, envie um e-mail ao nasfor@outlook.com.

Conheça mais sobre o CRESS-MG

Informações adicionais
Informações adicionais
Informações adicionais

SEDE: (31) 3226-2083 | cress@cress-mg.org.br

Rua Tupis, 485 - sala 502. Centro. Belo Horizonte - MG. CEP 30190-060

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL JUIZ DE FORA: (32) 3217-9186 | seccionaljuizdefora@cress-mg.org.br

Av. Barão do Rio Branco, 2595 - sala 1103/1104. Juiz de Fora - MG. CEP 36010-907

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL MONTES CLAROS: (38) 3221-9358 | seccionalmontesclaros@cress-mg.org.br

Av. Coronel Prates, 376 - sala 301. Centro. Montes Claros - MG. CEP 39400-104

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL UBERLÂNDIA: (34) 3236-3024 | seccionaluberlandia@cress-mg.org.br

Av. Afonso Pena, 547 - sala 101. Uberlândia - MG. CEP 38400-128

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h