Roda de conversa em Patos de Minas debate desafios da Seguridade Social

Publicado em 29/11/2016

Os desafios da Seguridade Social na atual conjuntura foram o destaque da roda de conversa promovida pela Seccional de Uberlândia, no dia 21 de novembro, em Patos de Minas. O encontro reuniu assistentes sociais da área, com destaque à Assistência Social, Saúde, Previdência e Educação. 

O evento tratou a Seguridade Social desde sua perspectiva ampliada, como proposto pela Carta de Maceió, documento encaminhado após o Encontro Nacional CFESS-CRESS de 2010, no estado de Alagoas.

Leia aqui, a Carta de Maceió.

A convidada para orientar a discussão foi a mestre em Serviço Social e assistente social da Gerência Executiva do INSS/Uberaba, Mariana Furtado. O debate começou com uma contextualização da luta pela instituição da seguridade social no Brasil, a partir da Constituição Federal de 1988, e o seu sentido/ significado social estratégico de proteção social da classe trabalhadora no contexto das relações sociais capitalistas de exploração da força de trabalho e (re) produção de mais valia e lucro. 

Discutiu-se a contraditória e tensa relação dos movimentos sociais da classe trabalhadora para manter e ampliar seus direitos sociais com os projetos politico-econômico do Estado capitalista que restringem tais direitos e maximizam a reprodução do capital, principalmente em épocas ditas de crises econômicas, como a conjuntura atual. “Utiliza-se desse discurso de crise para justificar cortes sociais, como o falacioso discurso de déficits na previdência social”, afirma Mariana.

Medidas do governo

Com o debate, foram destacadas as medidas do governo ilegítimo de Michel Temer e seus projetos, com apoio do Congresso Nacional, e que desmantelam as políticas sociais da seguridade social, como a EC 93/2016, a MP 739/2016, decreto 8805/16, a PEC 55 em trâmite no Senado Federal e já aprovada pela câmara (PEC 241), destacando:

– congelamento dos investimentos públicos nas políticas sociais, com incentivo à privatização/ terceirização das políticas sociais; 

– revisão e corte de benefícios sociais, de direção fiscalizatória e marginalizadora dos beneficiários;

– incentivo ao crescimento das empresas de planos particulares de saúde e previdência privada;

– extinção do Suas;

– proposta de desvinculação do benefício de prestação continuada e dos previdenciários do salário mínimo é de aumento de idade e tempo de contribuição para aposentadoria, dentre outros.

De acordo com Mariana, o debate prosseguiu com as e os profissionais apresentando como tais dificuldades estão se apresentando nos seus espaços de trabalho, tanto com relação às condições de trabalho, quanto nas restrições de acesso às políticas sociais, “o que exige da/o profissional vigilância permanente para não cair na atitude fiscalizatória tão propagada no Estado Brasileiro para controle social da classe trabalhadora a partir das polícias sociais”, pontua.

Conheça mais sobre o CRESS-MG

Informações adicionais
Informações adicionais
Informações adicionais

SEDE: (31) 3226-2083 | cress@cress-mg.org.br

Rua Guajajaras, 410 - 11º andar. Centro. Belo Horizonte - MG. CEP 30180-912

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL JUIZ DE FORA: (32) 3217-9186 | seccionaljuizdefora@cress-mg.org.br

Av. Barão do Rio Branco, 2595 - sala 1103/1104. Juiz de Fora - MG. CEP 36010-907

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL MONTES CLAROS: (38) 3221-9358 | seccionalmontesclaros@cress-mg.org.br

Av. Coronel Prates, 376 - sala 301. Centro. Montes Claros - MG. CEP 39400-104

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL UBERLÂNDIA: (34) 3236-3024 | seccionaluberlandia@cress-mg.org.br

Av. Afonso Pena, 547 - sala 101. Uberlândia - MG. CEP 38400-128

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h