Movimentos de mulheres de MG divulgam manifesto para o 8 de Março

Publicado em 07/03/2013

Às vésperas do dia 8 de março, mais de 30 movimentos feministas se reuniram para produzir e divulgar um material contendo as principais reivindicações das mulheres em Minas Gerais.
 
Com o tema “Mulheres na luta contra a violência! Mexeu com uma, mexeu com todas!”, um dos textos aborda, de forma didática, as várias formas de violência contra a mulher, além de tratar do papel feminino na atualidade. 
 
O panfleto será distribuído amanhã, em BH, durante a Marcha das Mulheres, que acontecerá em seis pontos do Centro, a partir das 13h. Saiba mais, aqui, sobre o evento.
 
Clique na imagem para ver o panfleto! 
 
O segundo texto se trata de uma lista de exigências feitas ao governo e à sociedade, como um todo, com o intuito de reprimir o machismo e acabar com a violência contra a mulher. 
 
Leia-o, a seguir.
 
Plataforma de reivindicações das mulheres de Minas Gerais 
 
Nós, movimentos de mulheres, abaixo assinados, reivindicamos dos governos estadual e municipal as seguintes medidas, as quais devem ser implementadas imediatamente para propiciar o fim da violência contra a mulher e o combate ao machismo de forma continuada. 
 
  • Ampliação e aplicação de fato da Lei Maria da Penha! Mais verbas e investimento em políticas públicas para as mulheres. 
  • Construção de casas abrigo com atendimento em tempo integral e centros de referência para atendimento às mulheres vítimas de violência.
  • Implementação do juizado especial para os casos de violência doméstica.
  • Qualificação especial da polícia para atendimento dos casos de violência doméstica.
  • Mais delegacias de mulheres no estado de Minas Gerais. 
  • Regularização imediata das ocupações urbanas, visto que a maioria delas é composta majoritariamente por mulheres que necessitam do reconhecimento de suas moradias para serem atendidas nas redes de saúde e educação. Não a violência policial e do Estado!
  • Construção imediata de unidades de educação infantil para atender todas as crianças de 0 a 6 anos, em tempo integral e com funcionamento 24horas, a fim de atender mães e pais que trabalham em períodos noturnos.
  • Valorização e respeito às/aos profissionais da saúde e educação, categorias compostas majoritariamente por mulheres.
  • Equiparação salarial das educadoras infantis no município de Belo Horizonte, a fim de reconhecer essas trabalhadoras como professoras. Trabalho igual deve ter salário igual!
  • Contra os projetos que flexibilizam a CLT ou retiram direitos historicamente garantidos às mulheres trabalhadoras. O negociado não deve valer mais que o legislado!
  • Licença maternidade de 6 meses para todas as mulheres e licença paternidade de 1 mês. 
  • Combate à repressão policial para as trabalhadoras do sexo e criação de centros de referência para geração de emprego e renda. 
  • Combate ao tráfico de mulheres e punição efetiva aos que se aproveitam da exploração sexual de mulheres, adolescentes e crianças.
  • Aborto seguro, legal e gratuito para que as mulheres não morram nas clínicas clandestinas.
  • Nenhuma criminalização dos movimentos sociais! 
  • Pelo fim da revista vexatória no sistema prisional, utilizada como forma de violência e coação às mulheres.
  • Pela regulamentação dos meios de comunicação para coibir a mídia machista que expõe as mulheres como mercadorias e produtos a serem vendidos.
  • Pela desapropriação dos latifúndios e efetivação da reforma agrária. Existem 21 áreas em todo o Estado de Minas Gerais com ordem de despejo, afetando diretamente mais de 1200 mulheres que ficam expostas a todo o tipo de violência e marginalização social. 
  • Pelo fim da violência e opressão às mulheres indígenas, que são multiplamente ameaçadas pela discriminação de sexo, raça, etnia e classe social.

 

Somos: 

AJUP (Acessoria Jurídica Universitária Popular)
ALEM – Associação de Lésbicas de Minas Gerais 
ANEL – Assembléia Nacional dos Estudantes Livre 
Baque de Mina 
Brigadas Populares 
CACE (Centro acadêmico de Ciências do Estado) 
CACS (Centro Acadêmico de Ciências Sociais) 
Consulta Popular 
Coletivo de Estudantes Negras da UFMG 
Coletivo de Mulheres Ana Montenegro 
CSP Conlutas 
CUT – Central única dos Trabalhadores 
DCE UFMG 
DCE/UFMG 
Fora Lacerda 
IHG (instituto Helena Greco) 
Levante Popular da Juventude 
MAB – Movimento dos Atingidos por Baragens 
Marcha da Nacional Contra Mídia Machista 
Marcha das Vadias 
MML – Movimento Mulheres em Luta 
MMM – Marcha Mundial das Mulheres 
Movimento Olga Benário 
MST – Movimento dos Trabalhadores Sem Terra 
PSol 
PSTU 
PT 
Rede Feminista da Saúde 
Sindbel 
Sindeess – Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde 
Sindicato dos Vigilantes de Minas Gerais 
Sindrede

 

Conheça mais sobre o CRESS-MG

Informações adicionais
Informações adicionais
Informações adicionais

SEDE: (31) 3226-2083 | cress@cress-mg.org.br

Rua Guajajaras, 410 - 11º andar. Centro. Belo Horizonte - MG. CEP 30180-912

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL JUIZ DE FORA: (32) 3217-9186 | seccionaljuizdefora@cress-mg.org.br

Av. Barão do Rio Branco, 2595 - sala 1103/1104. Juiz de Fora - MG. CEP 36010-907

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL MONTES CLAROS: (38) 3221-9358 | seccionalmontesclaros@cress-mg.org.br

Av. Coronel Prates, 376 - sala 301. Centro. Montes Claros - MG. CEP 39400-104

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL UBERLÂNDIA: (34) 3236-3024 | seccionaluberlandia@cress-mg.org.br

Av. Afonso Pena, 547 - sala 101. Uberlândia - MG. CEP 38400-128

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h