Dia Nacional da Visibilidade Lésbica: a importância de dar voz a mulheres cuja existência é silenciada

Publicado em 30/08/2023

Há 33 anos, no dia 29 de agosto de 1990, uma das maiores militantes brasileiras do movimento lésbico, Rosely Roth, tirava sua própria vida devido a profundas crises emocionais desenvolvidas pela lesbofobia e invisibilidade de sua existência: de uma mulher que ama mulheres.

A filósofa participou em 1983, em São Paulo, do Levante Ferro’s Bar, episódio em que um grupo de lésbicas enfrentou o dono do estabelecimento após terem sido expulsas por venderem um boletim chamado Chana com Chana, que continha informações de grande relevância para mulheres que se relacionam com mulheres.

Em homenagem à Rosely, desde 2003 é comemorado, nesta data, o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, luta que busca trazer à luz as particularidades e demandas destas mulheres que compõem o grupo LGBTQIAPN+ e cuja orientação sexual costuma ser apagada pela sociedade, quando não, a causa de muitas violências.

Esse silenciamento acontece em todas as esferas da vida da mulher lésbica e muitas vezes começa em seus próprios lares, como aponta Camila Ramos, assistente social, coordenadora do Núcleo de Assistentes Sociais de Divinópolis (NAS Divi) e uma das fundadoras do grupo Mulheres que Amam Mulheres (MAM).

“Há muitas lésbicas que ainda não conseguem falar abertamente nem com as próprias famílias. Somos silenciadas desde o primeiro momento em que assumimos publicamente nossa sexualidade: por familiares, pela comunidade, pelas instituições”, pontua a profissional.

Entre 2021 e 2022, foi realizado pela Liga Brasileira de Lésbicas (LBL) e pela Associação Lésbica Feminista de Brasília (Coturno de Vênus), o primeiro LesboCenso de Vivências Lésbicas no Brasil. O documento, que corrobora com o que Camila aponta, mostra que 29,32% das mulheres lésbicas começam a viver situações de preconceito dentro de casa.

Além de terem que, enquanto mulheres, enfrentar a misoginia e o machismo retratados na desigualdade salarial, na desvalidação e desqualificação do pensamento e de ações, na apropriação de ideias, na interrupção de falas, no assédio sexual e moral, lésbicas ainda enfrentam outras violações.

“Vamos lidar com a exposição da nossa orientação sexual e identidade de gênero como uma forma de chantagem e poder, fetichização dos nossos corpos e relações, dúvidas, questionamentos e uma certa descrença da nossa orientação sexual, falas e práticas que buscam corrigir a nossa sexualidade ou invalidá-la”, destaca.

A invisibilidade é notada, ainda, no acesso a direitos. “Na política previdenciária, o acesso a pensões, a planos de saúde, seguros, são um exemplo. Mesmo com o avanço dos direitos civis, que reconhecem o casamento homoafetivo, encontramos barreiras em garantir o acesso e uso de certas políticas e serviços”, ressalta Camila.

Leia também:

Visibilidade Lésbica no Serviço Social – É preciso que saibam: nós existimos!

Brejo no Serviço Social – Visibilidade Lésbica leva mulheres às ruas de BH para lutar por respeito

A organização que faz a diferença

Desde o movimento das militantes lésbicas do Levante do Ferro’s Bar, em 1983, até a Liga Brasileira de Lésbicas, uma coisa é certa: somente a luta coletiva é capaz de dar forças a uma “minoria” política oprimida. Foi com essa ideia que Camila se uniu a outras ativistas para criar o Mulheres que Amam Mulheres (MAM), em Divinópolis.

Hoje o coletivo está organizando ações para o ano que vem, e por enquanto, o intuito é mapear e promover mais encontros entre lésbicas da cidade. A partir disso, o MAM quer proporcionar um espaço de troca de experiências, além de dar visibilidade, divulgar e consumir produtos de lésbicas locais.

Ocupar os espaços para ser vista: Camila que hoje coordena o NAS Divinópolis, também faz parte do grupo de assistentes sociais que representa Minas, este ano, no Encontro Nacional CFESS-CRESS.

Como profissional do Serviço Social, Camila afirma que é essencial reconhecer a orientação sexual e a identidade de gênero como um marcador social importante e trazer essa discussão para o ambiente de trabalho, como forma de dar mais visibilidade ao assunto e trazer mais dignidade para lésbicas tanto assistentes sociais, como as usuárias dos serviços.

“Quando nós, profissionais, mulheres assistentes sociais lésbicas, falamos sobre nós, também enfrentamos a invisibilidade. Nós sempre existimos, só não somos vistas. Estarmos nas lutas coletivas, nos espaços de conselhos de direitos, realizar e estar presente em ações que dão visibilidade à pauta, são também estratégias de enfrentamento do silenciamento”, pontua.

Conheça mais sobre o CRESS-MG

Informações adicionais
Informações adicionais
Informações adicionais

SEDE: (31) 3527-7676 | cress@cress-mg.org.br

Rua Guajajaras, 410 - 11º andar. Centro. Belo Horizonte - MG. CEP 30180-912

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL JUIZ DE FORA: (32) 3217-9186 | seccionaljuizdefora@cress-mg.org.br

Av. Barão do Rio Branco, 2595 - sala 1103/1104. Juiz de Fora - MG. CEP 36010-907

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL MONTES CLAROS: (38) 3221-9358 | seccionalmontesclaros@cress-mg.org.br

Av. Coronel Prates, 376 - sala 301. Centro. Montes Claros - MG. CEP 39400-104

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL UBERLÂNDIA: (34) 3236-3024 | seccionaluberlandia@cress-mg.org.br

Av. Afonso Pena, 547 - sala 101. Uberlândia - MG. CEP 38400-128

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h