Luta pela democratização da comunicação também é do Serviço Social

Publicado em 20/10/2014

Banner da campanha Para Expressar a Liberdade, do FNDC, por uma mídia democrática
Banner da campanha Para Expressar a Liberdade, do FNDC, por uma mídia democrática 

Você certamente já viu assistentes sociais em novelas ou programas de humor na programação da televisão aberta no Brasil. Na maioria das vezes, as personagens retratam a atuação profissional de forma absolutamente equivocada. O que muitas pessoas não sabem, porém, é que o problema principal está nas telecomunicações brasileiras, setor dominado por um oligopólio de famílias abastadas e poderosas, aliadas dos governos que se sucederam no país ao longo dos anos.

Para fortalecer a luta por uma mídia democrática, o CFESS passa a compor o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) a partir desta semana. Além de uma ação política, o envolvimento do CFESS neste debate cumpre também deliberação do eixo da Comunicação do Encontro Nacional CFESS-CRESS, que definiu pela maior inserção do Serviço Social nessa discussão, bem como o estímulo à participação da categoria.

Se houvesse no Brasil uma mídia democraticamente acessível a todos/as, talvez você, assistente social, tivesse a oportunidade de assistir a outros programas de televisão e ter até suas reclamações ouvidas. No entanto, da forma como é hoje (e já são mais de 50 anos assim, tendo em vista que o Código Brasileiro de Telecomunicações é de 1962), a Rede Globo e outras emissoras vão continuar empurrando sua programação “goela abaixo”, sem qualquer chance de participação popular.

Para a conselheira do CFESS e coordenadora da Comissão de Comunicação, Daniela Neves, o momento é marcante para o Serviço Social. “Nossa inserção no FNDC se dá não só para que o/a assistente social seja retratado/a de acordo com nossas atribuições e princípios, mas para que pautemos, no Brasil, a comunicação, e o acesso a ela, como uma estratégia democrática, que permita debater os direitos, como a defesa central da liberdade.

Ações que passam necessariamente pela democratização dos meios de comunicação. E isso significa mais diversidade na mídia, ou seja, mais acesso e mais vozes”, destaca a conselheira.

Semana Nacional

Esta é, inclusive, a Semana Nacional de Luta pela Democratização da Comunicação (13 a 18 de outubro). A ação faz parte da campanha Para Expressar a Liberdade, lançada pelo FNDC, com o apoio de entidades da sociedade civil e de conselhos profissionais, com o objetivo de levar ao Congresso Nacional uma proposta de nova lei geral de comunicações, de iniciativa popular, para mudar a situação de concentração de meios de comunicação no Brasil.


(arte: Rafael Werkema)

“A lei que regulamenta o funcionamento das rádios e televisões no país é de outro tempo, de outro Brasil (…). São 50 anos de concentração, de negação da pluralidade. Décadas tentando impor um comportamento, um padrão, ditando valores de um grupo que não representa a diversidade do povo brasileiro. Cinco décadas em que a mulher, o trabalhador, o negro, o sertanejo, o índio, o camponês, gays e lésbicas e tantos outros foram e seguem sendo invisibilizados pela mídia”, diz trecho do texto de apresentação da campanha, disponível no site do Fórum Nacional.

Em Brasília, a campanha segue angariando assinaturas para o projeto de lei da mídia democrática. Quanto mais pessoas apoiarem, mais rapidamente o material será encaminhado ao Congresso Nacional(clique aqui e participe)

Além disso, nesta quinta-feira (16/10), ocorre um tuitaço (rede social Twitter), em que a organização da campanha sugere aos/às internautas a publicação das hashtags #ForaCoronéisdaMídia e#LeidaMídiaDemocrática. Se você está no Facebook ou no Twitter, participe também!

Então, que profissão e programação você quer ver na televisão?

O Conjunto CFESS-CRESS tem buscado reforçar na agenda do Serviço Social o debate da comunicação como direito no Brasil. Direito que não deve ser apropriado por um grupo de empresários/as, mas que deve ser de toda a população brasileira. O vídeo do Intervozes (Coletivo Brasil de Comunicação Social) ilustra bem isso. Assista abaixo:

Cabe lembrar, ainda, que o Conjunto CFESS-CRESS possui a Política Nacional de Comunicação, documento que tem orientado e direcionado os debates. Em sua segunda edição, ela aponta que a luta por uma sociedade justa e igualitária também perpassa a comunicação. O documento oferece também orientações básicas de funcionamento de uma assessoria de comunicação (clique aqui para conhecer).

Acesse e conheça o site do FNDC

Veja os 20 pontos para democratizar a comunicação apoiados pela campanha

Conheça o Projeto de Lei da Mídia Democrática

Fonte: CFESS

Conheça mais sobre o CRESS-MG

Informações adicionais
Informações adicionais
Informações adicionais

SEDE: (31) 3226-2083 | cress@cress-mg.org.br

Rua Tupis, 485 - sala 502. Centro. Belo Horizonte - MG. CEP 30190-060

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL JUIZ DE FORA: (32) 3217-9186 | seccionaljuizdefora@cress-mg.org.br

Av. Barão do Rio Branco, 2595 - sala 1103/1104. Juiz de Fora - MG. CEP 36010-907

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL MONTES CLAROS: (38) 3221-9358 | seccionalmontesclaros@cress-mg.org.br

Av. Coronel Prates, 376 - sala 301. Centro. Montes Claros - MG. CEP 39400-104

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL UBERLÂNDIA: (34) 3236-3024 | seccionaluberlandia@cress-mg.org.br

Av. Afonso Pena, 547 - sala 101. Uberlândia - MG. CEP 38400-128

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h