Seminário promove debate inovador sobre as drogas

Publicado em 22/03/2013

“Existe um discurso de que a droga leva as pessoas à miséria social. Isso não é verdade, essas pessoas já estavam privadas de moradia, educação, saúde, dos direitos sociais, ou seja, um prato cheio para procurarem as drogas”, afirmou o psiquiatra Dartiu Xavier, durante o Seminário Drogas e Cidades – Pensamentos Para uma Prática Cidadã. Realizado pela Frente Mineira sobre Drogas e Direitos Humanos (FMDDH), da qual o CRESS-MG faz parte, o seminário aconteceu entre os dias 14 a 16 de março, no Centro Universitário Newton Paiva, em Belo Horizonte.
 
Com a participação de cerca de 400 pessoas vindas da capital, Região Metropolitana e do interior de Minas Gerais, o evento tratou do tema das drogas e suas diversas interfaces, entre elas, com o mundo jurídico, com questões ligadas ao tratamento, sua relação entre crianças e adolescentes e com a população de rua. O seminário contou com a participação de estudantes, usuários e profissionais das mais diversas áreas, tendo uma presença maior de psicólogas (os), assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, médicos e advogados.
 
Para a presidente do Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais (CRP-MG), Marta Elizabete de Souza, o evento foi um espaço importante, que contribuiu com a desconstrução de certos mitos sobre a questão das drogas, tanto através do conhecimento científico, quanto através da arte e da poesia. “O seminário cumpriu seus objetivos de sensibilizar os profissionais, principalmente os da rede de saúde, fortalecendo a todos no sentido de perceber as dimensões que a saúde pode abordar nesse tema tão complexo”, afirmou.
 
A psicóloga e integrante da FMDDH, Rosemeire Silva, chamou atenção para que a prática da saúde não sirva como recurso de duplicação da repressão. “Não é a toa que fazemos oposição seja às práticas das instituições totalitárias, seja às ações de privatização da saúde pelos governos. Vamos cuidar para não transformar a saúde em complemento à lógica repressiva e à política de segurança pública”,explicou.
 
Rosemeire afirmou que, em Minas Gerais, o Cartão Aliança pela Vida tem tido mais aporte do que os Centros de Atenção Psicossocial, o que evidencia a transferência de recursos dos governos municipais e estaduais para as comunidades terapêuticas. O Cartão, lançado em 2011, concede auxílio financeiro mensal às famílias com parentes usuários de álcool e drogas, para custeio do tratamento em clínicas ou comunidades terapêuticas.
 
O assistente social e psicólogo, Marco José Duarte, explicou que, atualmente, em termos de políticas públicas no Brasil tem se investido mais na repressão do que na ampliação da Rede de Atenção Psicossocial (Raps). Duarte, que é carioca, informou que na cidade do Rio de Janeiro existem 5 CAPSad (Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas) para uma população de 6 milhões e 320 mil habitantes. “Por isso a lógica de recolhimento é mais fácil”, disse.
 
Em Minas Gerais, existem 16 CAPSad para uma população de quase 20 milhões de habitantes, sendo que na capital do estado apenas um Centro de Referência em Saúde Mental (Cersam) e um Centro Mineiro de Toxicomania (CMT) fazem atendimento específico para a questão de álcool e outras drogas. Para o psiquiatra Dartiu Xavier, a questão não se trata de um braço de força com as comunidades terapêuticas. “Mas não podemos aceitar que elas reproduzam um padrão manicomial, que combatemos durante tanto tempo”, destaca.
 
Essas e outras questões permearam o Seminário, que, de acordo a presidente do CRP-MG, deverá ter uma série de outros eventos para que a questão do álcool e outras drogas continue sendo discutida. A representante do Conselho Federal de Psicologia na coordenação da Frente Nacional sobre Drogas e Direitos Humanos, Eliza Zaneratto, explicou que o evento foi um espaço para qualificar os debates. Mas alertou que, “além de qualificação, precisamos de pessoas para esta militância”.
 
Ao final do evento, foi realizada a leitura de uma Carta, que em breve será divulgada para a sociedade.
 
Confira as fotos do Seminário, no Facebook do CRP-MG.
 
Frente Mineira sobre Drogas e Direitos Humanos
 
Criada em 2012, a FMDDH é uma articulação de entidades, instituições e movimento sociais que lutam por políticas públicas sobre drogas, baseadas nos direitos humanos e no respeito aos princípios do SUS (Sistema Único de Saúde), Suas (Sistema Único da Assistência Social) e da Reforma Psiquiátrica. Este coletivo trabalha na organização e no direcionamento do debate público, construindo estratégias e ações no campo das políticas sobre drogas.
 
A FMDDH condena todos os abusos e violações dos direitos humanos praticados em quaisquer instâncias no que diz respeito aos usuários de drogas, sejam elas lícitas ou ilícitas.
 
Integram a coordenação da Frente Mineira: ASUSSAM (Associação dos Usuários dos Serviços de Saúde Mental de Minas Gerais); CNDDH (Centro Nacional de Defesa dos Direitos Humanos da População em Situação de Rua e Catadores de Materiais Recicláveis); CRP-MG (Conselho Regional de Psicologia – Minas Gerais); CRESS-MG (Conselho Regional de Serviço Social de Minas Gerais); Fórum Mineiro de Saúde Mental; Grupo Solidariedade/BH; IDH (Instituto de Direitos Humanos).
 
Entenda mais sobre a Frente.
 
Baixe as apresentações
 
Confira algumas das apresentações do seminário “Drogas e cidades: pensamentos para uma prática cidadã”
 
 
 
 

Fonte: CRP-MG

Conheça mais sobre o CRESS-MG

Informações adicionais
Informações adicionais
Informações adicionais

SEDE: (31) 3226-2083 | cress@cress-mg.org.br

Rua Tupis, 485 - sala 502. Centro. Belo Horizonte - MG. CEP 30190-060

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL JUIZ DE FORA: (32) 3217-9186 | seccionaljuizdefora@cress-mg.org.br

Av. Barão do Rio Branco, 2595 - sala 1103/1104. Juiz de Fora - MG. CEP 36010-907

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL MONTES CLAROS: (38) 3221-9358 | seccionalmontesclaros@cress-mg.org.br

Av. Coronel Prates, 376 - sala 301. Centro. Montes Claros - MG. CEP 39400-104

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL UBERLÂNDIA: (34) 3236-3024 | seccionaluberlandia@cress-mg.org.br

Av. Afonso Pena, 547 - sala 101. Uberlândia - MG. CEP 38400-128

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h