Ato Médico – Esta luta é de todos!

Publicado em 14/12/2012

Falta pouco para que o PL do Ato Médico vá para o Plenário do Senado Federal. Mesmo aprovado, ainda há possibilidade de que o texto do Projeto seja alterado, evitando mais prejuízos tanto às profissões da Saúde, como à população brasileira!

Veja abaixo como você pode contribuir para impedir que o Ato Médico seja aprovado com o texto atual.

Clique aqui e entenda melhor como esse Projeto de Lei, caso seja aprovado como está, irá prejudicar o exercício profissional de 14 profissões e também a vida dos cidadãos brasileiros.
 
Tramitação do PL no Senado 
 
O substitutivo da Câmara dos Deputados ao Projeto de Lei ( PLS 268/2002) que regulamenta o exercício da medicina, conhecido como Ato Médico, foi aprovado por unanimidade na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado Federal nesta quarta-feira (12). A decisão vai na contramão do histórico de lutas e significa um retrocesso para a sociedade e profissões da saúde – que não têm consenso sobre o texto do PL, ignorando os avanços conquistados no atendimento multiprofissional.
 
A votação foi realizada após audiência conjunta com a CE e a Comissão de Assuntos Sociais, que reuniu representantes dos Ministérios e Conselhos Nacionais da Saúde e Educação, que ainda não haviam sido ouvidos sobre o PL. O substitutivo segue agora para a Comissão de Assuntos Sociais, onde deverá ser relatado pela senadora Lucia Vânia (PMDB-GO) na próxima quarta-feira (19).
 
“O PL do Ato médico foi aprovado pela Comissão de Educação de forma atropelada, pois as propostas de diálogo não foram consideradas e nem mesmo o parecer do relator, o senador Cassio Cunha Lima (PSDB/PB), foi lido. Votaram de forma antidemocrática, sem preocupação com a saúde e com a população brasileira”, afirmou o conselheiro do Conselho Federal de Psicologia (CFP), Celso Tondin, ao final da audiência pública.
 
O conselheiro exemplificou sua fala com fato ocorrido na audiência, em que o senador José Capiberibe (PSB-AP) foi impedido de ler carta contrária à aprovação do PL escrita aos parlamentares por Aloysio Campos da Paz, cirurgião-chefe da rede de hospitais Sarah Kubitschek.
 
O conselheiro Celso Tondin citou ainda que, durante os debates, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) propôs a composição de uma mesa de discussões para buscar um consenso ainda nesta quarta-feira, proposta que não foi nem mesmo votada pela senadora Ana Amélia (PP-RS), que presidia a reunião. Como justificativa, ela lembrou que o texto não era terminativo e voltaria a ser debatido na CAS e no Plenário.
 
Mais diálogo
 
A continuidade do diálogo foi defendida pela coordenadora geral do Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde do Ministério da Saúde, Miraci Mendes, para que todas as partes envolvidas sejam contempladas e cheguem a um acordo. “A iniciativa do Senado com este projeto foi muito importante, mas temos que continuar dialogando”, afirmou, lembrando que a principal divergência no texto atual está no artigo 4º, que diz que o diagnostico nosológico é privativo dos médicos.
 
O secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Amaro Henrique Lins, lembrou que não existe hoje nenhuma profissão do mundo que atue sozinha. “Este PL não é uma disputa entre as profissões da saúde, todas são fundamentais. O que queremos é que a sociedade se beneficie e o PL deve dizer quais são as atribuições de cada uma”. O representante do Conselho Nacional de Educação, Luis Roberto Curi, ressaltou, por sua vez, a importância de flexibilizar a formação dos profissionais de saúde, considerando a interdisciplinaridade. “Qualquer espírito de inflexão contraria isto”, completou.
 
Antes da votação, José Capiberibe questionou como o Sistema Único de Saúde (SUS) poderá atender a demanda de atendimentos caso seja necessário passar primeiro pelos médicos, já que lembrou que no Brasil há 365 municípios onde não há nenhum profissional da medicina. O senador também lembrou da existência da recomendação nº 31 de 12 de novembro de 2009 do Conselho Nacional da Saúde, que chama a atenção para que o texto do PL garanta os direito dos usuários do SUS ao atendimento integral e preserve a autonomia dos profissionais de saúde, em favor da continuidade da pratica de assistência integral.
 
Manifeste-se! A luta ainda não acabou
 
A Frente Mineira em Defesa da Saúde, a qual o CRESS-MG faz parte, pede aos assistentes sociais, como a todas demais categorias da área da Saúde, a lutar para que o texto PL, conhecido como Ato Médico, não seja aprovado da forma como está.
 
Na próxima quarta-feira, dia 19 de dezembro, será realizada a última audiência, com a Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS), que definirá o rumo desse PL que põe em risco a atuação de milhares de profissionais da Saúde, além de prejudicar toda a população brasileira.
 
Não permitam que isso aconteça! Assistentes sociais, enviem mensagens aos senadores que compõem a CAS pela não-aprovação do PL do Ato Médico:
 
Jayme Campos – jayme.campos@senador.gov.br
 
Casildo Maldaner – casildomaldaner@senador.gov.br – twitter.com/casildomaldaner
 
Angela Portela – angela.portela@senadora.gov.br
 
Humberto Costa – https://twitter.com/senadorhumberto –humberto.costa@senador.gov.br
 
Wellington Dias – https://twitter.com/ascomwdias – wellington.dias@senador.gov.br
 
João Durval – joaodurval@senador.gov.br
 
Rodrigo Rollemberg – https://twitter.com/RollembergPSB – rollemberg@senador.gov.br
 
Vanessa Grazziotin – https://twitter.com/vanessasenadora –vanessa.grazziotin@senadora.gov.br
 
Waldemir Moka – https://twitter.com/Senador_Moka – waldemir.moka@senador.gov.br
 
Paulo Davim – https://twitter.com/paulodavim – paulodavim@senador.gov.br
 
Romero Jucá – http://twitter.com/senromerojuca – romero.juca@senador.gov.br
 
Casildo Maldaner – https://twitter.com/casildomaldaner –casildomaldaner@senador.gov.br
 
Romero Jucá – https://twitter.com/senromerojuca – romero.juca@senador.gov.br
 
Ricardo Ferraço – http://twitter.com/RicardoFerraco – ricardoferraco@senador.gov.br
 
Ana Amélia – http://twitter.com/anaamelialemos – ana.amelia@senadora.gov.br
 
João Alberto Souza – joao.alberto@senador.gov.br
 
Cícero Lucena – https://twitter.com/cicerolucena – cicero.lucena@senador.gov.br
 
Lúcia Vânia – https://twitter.com/Lucia_Vania – lucia.vania@senadora.gov.br
 
Cyro Miranda – http://twitter.com/CyroMirandaSen – cyro.miranda@senador.gov.br
 
Jayme Campos – jayme.campos@senador.gov.br
 
Mozarildo Cavalcanti – https://twitter.com/senmozarildo – mozarildo@senador.gov.br
 
João Vicente Claudino – https://twitter.com/SenJVClaudino –j.v.claudino@senador.gov.br
 
João Costa – https://twitter.com/SenJoaoCosta – joaocosta@senador.gov.br
 
Fonte:Texto retirado do site do Conselho Federal de Psicologia e adaptado

 

Conheça mais sobre o CRESS-MG

Informações adicionais
Informações adicionais
Informações adicionais

SEDE: (31) 3226-2083 | cress@cress-mg.org.br

Rua Tupis, 485 - sala 502. Centro. Belo Horizonte - MG. CEP 30190-060

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL JUIZ DE FORA: (32) 3217-9186 | seccionaljuizdefora@cress-mg.org.br

Av. Barão do Rio Branco, 2595 - sala 1103/1104. Juiz de Fora - MG. CEP 36010-907

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL MONTES CLAROS: (38) 3221-9358 | seccionalmontesclaros@cress-mg.org.br

Av. Coronel Prates, 376 - sala 301. Centro. Montes Claros - MG. CEP 39400-104

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h


SECCIONAL UBERLÂNDIA: (34) 3236-3024 | seccionaluberlandia@cress-mg.org.br

Av. Afonso Pena, 547 - sala 101. Uberlândia - MG. CEP 38400-128

Funcionamento: segunda a sexta, das 13h às 19h